domingo, 27 de setembro de 2009

Minhas Teorias...


Movimento e repouso. Relatividade. Não estou falando de física, embora seja tão complicado entender de sentimentos quanto decifrar a cinemática. Tempos atrás, vida à plenos vapores e o coração inerte. Quietinho. Batendo sossegado, trabalhando o necessário para me manter de pé.

Parece que cansou... E, sem me perguntar se pode, decretou: eu quero alguém. A vontade de preencher esse espaço nunca foi tão intensa quanto agora. Minha carência está em doses elevadas, justo agora que a vida vai se acalmando: João Pedro está bem de saúde, eu estou mais adaptada ao novo emprego, as finanças em dia, os objetivos traçados.

Talvez essa tranquilidade momentanea tenha me feito ver o quanto eu deixei de lado o lado esquerdo do peito. É bem verdade que há uma parte deveras frequentada: a sala de estar. Graças à Deus, tenho amigos queridíssimos e excessivamente (no melhor dos sentidos) participativos. Mas, apesar da bagunça que fazemos na sala do meu core, o quarto está vazio. Há muito tempo.

Por isso comecei falar de movimento e repouso. Porque o conceito deles é elástico[;)]; depende de uma referência. E quando me coloco como referencial da minha vida, percebo como minhas mudanças são nítidas. Estampadas na minha cara, não passam despercebidas pelos que me conhecem. Percebo também a calmaria em que andou meu coraçao. E depois de tanta agitação, depois do fim da minha crisálida, ainda quero a turbulência dos bons tempos em que estava apaixonada.

E, já que mencionei o bendito referencial... Sim, tenho um ideal de como minha próxima relação deveria ser... Não por egoísmo meu, mas, juro, pela felicidade de nós dois. Faria algumas adaptações, claro. A começar, pelo formato geométrico. Nada de figuras. Uma linha basta. Linha reta, simples, tranquila. Porque os triangulos, apesar de se formarem por linhas retas, são tortos, com linhas absurdamente sinuosas.

Só aí vejo que meu referencial é estático, idependente do ponto em que eu esteja. A despeito dos meus ideais sentimentais, ainda estou em 2005.

4 comentários:

Taína disse...

Ameiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii...
Somos tão parecidas Garrafa....
muita coisa é o que eu sintooo....
exatamente!!!
mas você descreveu com tanta exatidão e tanta riqueza de palavras...
Amoooo você...

Se eu fosse um hominho pediria sua mão em casamento...kkkk...

Beijoooo e muita, imensa saudade

Taína disse...

Minha amiga tão pequenina e tão menina quando nos conhecemos se transformou em uma mulher...sim...uma grande mulher, que amo assim sem explicar e que bom que todos os demais setores de sua vida estão bem amiga..que bom..
O Amor é um serzinho safadinho, nos deixa bem com vontade dele e aparece,aaaa mais ele aparece quando menos esperamos, mais esta coisa de que aparece na hora certa é até verdade, mas temos que ir a luta, temos que nos permitir, temos que querer...e esse é o primeiro passo...
Vai chover amores para você e já estou com ciúmes amigaaaaa..
Mas aquele que conquistar seu amor sem dúvida vai ser o cara mais sortudo deste mundo...Por que você simplismente é um Ser Mágico e mais que Especial..
Amo-te!!!

Ana Libório disse...

Lindo!Lindo!!Lindo!!!

Adorei o texto!!
Já havíamos conversado sobre isso e te disse que eestou na mesma fase...
sse mendo tá louco, amiga...duas mulhers tão lindas e legais como nós, assim, numa carência dessas...tá certo isso??Não, claro que não!!!rs
Quanto as linhas que formam o triângulo...

Beijoooo!!

Danizinha disse...

Essa é a Mari que eu conheçoo!!
E concordoo com sua amiga Taina, ai: "O Amor é um serzinho safadinho [...] e aparece,aaaa mais ele aparece quando menos esperamos, mais esta coisa de que aparece na hora certa é até verdade, mas temos que ir a luta, temos que nos permitir, temos que querer...e esse é o primeiro passo...".
Ela disse tudo amigaa!!
Continueee escrevndoo, poisss tenho certeza q muiitos esperam pelas suas palavras!!
TE AMOO!!